Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Viver com sentido

Existe mais para além do que nos contam..!

Viver com sentido

Existe mais para além do que nos contam..!

10 sinais para os quais devemos estar alertas

Resultado de imagem para triste

 

 Existe uma linha muito ténue entre o equilíbrio e o que já foge a uma padrão restritivo – restritivo não tem que ser necessariamente no sentido de “menos comida” e de restrição calórica mas sim também no sentido da redução da variedade alimentar (o que torna-se algo bastante grave a vários níveis) e na restrição mental - a forma em como te vês.

  Através da minha experiência pessoal (uma vez que não sou melhor que ninguém e também tenho as minhas lutas) e da experiência dos outros, consigo afirmar que existem alguns sinais que, apesar de parecerem inofensivos, com o tempo podem tornar-se algo mais. Deixo-vos alguns que considero os mais importantes:

  • Sinal nº1 - Começas a sentir-te desconfortável contigo

Se calhar, até então, nem ligavas muito à tua aparência física mas estavas bem e vivias feliz. Começaste a ver nos instagram imagens de raparigas "fit", com "antes e depois" super diferentes e com milhares de comentários sobre como aquela imagem é a que é considerada o "ideal" e o objectivo a seguir. Começas a fazer comparações e pensar "bem, não sou nada assim" e a forma de te veres muda. Começas a sentir-te "gorda", olhas muito para o espelho à procura de defeitos, a apertar os "papos" e a pensar "tenho que ter abs". Crias a mentalidade de que só ao atingires uma determinada forma física é que te sentirás feliz e bem contigo. Se não tiveres cuidado, acredita... Reduzes-te ao teu físico.

  •  Sinal nº2 - Comentas e sentes que és comentada

Sentes que os outros deviam fazer o mesmo que tu - talvez porque é mais fácil quando estamos todos no mesmo barco - e então comentas o que comem. Sentes-te chateada quando vês as pessoas a comerem serenamente bolachas, doces ou simplesmente comidas "normais" mas que já não se enquadram no teu padrão alimentar (fogo, o quanto desejas conseguir comer sem sentires culpa), opinando sobre o que é ou não saudável e a comparar as quantidades que tu comes em relação aos outros, achando que estão a olhar para ti, provavelmente a comentarem que estás mais gorda - e nem estás, muito pelo contrário. Por outro lado, quando queres comer algo que consideras "mau" (ou outro adjectivo pejorativo), começas a sentir a necessidade de que alguém o faça contigo. Ou seja, queres muito comer bolachas, um gelado, lanchar um croissnat ou comer aquela fatia de bolo e insistes com a tua amiga para que coma também, mesmo que ela não queira, na tentativa de te sentires melhor contigo própria. Ah, e ainda dizes "ah va lá, só um bocadinho não te vai engordar!" - talvez a tua culpa mental seja dividida pelas duas, ao menos não engordas sozinha. 

  •  Sinal nº3 - Começas a diminuir a variedade alimentar, cada vez mais a rotular os alimentos e apostas só no que é “fit” ou “limpinho” - já para não falar quando chega a altura de eliminar lactose ou glúten.

Eliminas o pão ou apenas apostas em pães low carb (Cartas na mesa: Ganhaste medo a hidratos) – o arroz passa a ser apenas integral - basmati na melhor das hipóteses, nunca entendi o porquê se bem que adoro basmati - a massa também só da cartegoria integral mas é maioritariamente colocada de parte (talvez pelo glúten?). Ovos... Passam a ser só as claras. O típico. Agrava-se com a retirada de alimentos com lactose mesmo que não tenhas a mínima intolerância no entanto, já dizes que ficas inchada com um iogurte (atenção: comes quark na mesma porque é um alimento “fit” e proteíco... aí a lactose não importa). Glúten.. Nem sabes bem o que é mas retiras porque parece que é mais saudável (revejam o meu antigo post sobre o glúten... pode ajudar a descomplicar! Link aqui). Conclusão: Tens X alimentos dos quais não varias muito e que se tornam a tua “zona segura”, começando a atribuires o rótulo de “bom/mau” ou que “engorda/não engorda”.

  • Sinal nº4 – Ansiedade face a comida

Verdade que existem alimentos e refeições que realmente gostamos muito e repetimos várias vezes, falo por mim! O problema começa quando te sentes ansiosa com a possibilidade de comer algo fora do teu padrão alimentar, seja quando comes fora ou mesmo em casa. Comes frequentemente algo diferente do resto da tua família – a não ser que cozinhem tudo ao lado do que gostas, então já ganhaste mesmo de outros alimentos que não os teus. Pronto, já não comes lasanha ou o bacalhau com natas que adoravas a não ser ao domingo – dia de cheat.

  • Sinal nº5 – Cheat day.

É um sinal, sim, e é uma verdade que custa... Já para não falar que começam a desenvolver uma mentalidade de restrição durante a semana para “estragar” num dia - o que desenvolve uma sensação de insaciedade quando chega o mesmo - em vez de apenas comeres algo mais diferente e seguires a tua vida, não... comes o mundo e o outro só porque sim, o que significa que vais criar um ciclo de compensação entre alimentação e treinos para desfazer os “estragos” causados.

  • Sinal nº6 – Passas o dia a pensar em comida

Quando vais comer, o que vais comer... É diferente de seres organizada com as refeições e marmitas! Também sou bastante organizada (especialmente porque uma Carolina-com-fome é uma leoa), pelo que costumo organizar marmitas para o dia ou pequenos snacks. No entanto, não deixo de desfrutar de um lanche diferente numa padaria ou de retirar uma fatia de bolo que levaram para o trabalho – o que está relacionado com o sinal nº4 (o medo/ansiedade face a outros alimentos/refeições que não as tuas)

  • Sinal nº7 – Quem cozinhou? Como cozinhou?

Ups... Não foste tu que cozinhaste. Já não basta sondares a tua mãe (ou outro elemento que faça as refeições) enquanto ela está de volta das panelas para saberes como está a fazer, como também torces o nariz a refeições sobre as quais não tens qualquer tipo de controlo. Mesmo que sejam refeições de arroz e carne grelhada... Porque nunca se sabe se usaram um pouco de manteiga no arroz ou se o ovo foi frito numa piscina de oleo ou se tiveram sorte e foi na chapa.

  • Sinal nº8 – Recusas eventos por poderem envolver comida

A coisa aqui já complica... Aqui já deixaste que a comida comande a tua vida. É possível comer fora e comer comida saudável ou comida dentro do teu X de alimentos. É possível comeres fora e disfrutares de algo fora do teu normal. É possivel comer fora e comeres algo fora do normal sem ser no teu dia de cheats. É possível seres feliz sem a tua vida andar em volta da comida.

  • Sinal nº8 – Compensar de alguma forma

Não recusas comida que te oferecem, não recusas ir a eventos e até comes de forma normal, mas o que o Mundo não sabe é que no dia a seguir (os já nos anteriores), compensas de algum modo. Compensas com treinos ou com alimentação para “queimar o presunto”.

  • Sinal nº10 – Utilizas adjectivos/nomes pejorativos

Como assim? Perguntas tu... Sim, uma foto de um lanche com as tuas amigas é uma “refeição das gordinhas”, comer um doce é uma “gordice”, usas emojis de baleias para caracterizar ou algum alimento ou até mesmo relativo a uma foto tua, a dizer que vais queimar o presunto. Parece algo tão inofensivo e fofinho, eu sei!! Mas acreditem que muitas vezes é uma forma inconsciente de culpa... Ou de te tentares desculpabilizar 

 

 Eu não pretendo apontar o dedo a ninguém ou afirmar que por enquadrares-te em algum dos sinais, terás algum problema/distúrbio. Não. Mais do que isso, o que pretendo é apenas abrir o olhos para pequenos sinais que parecem inofensivos mas que por a linha ser TÃO ténue, que é realmente fácil de entrarem em luta com vocês próprios. Os vencedores não são aqueles que dizem/aparentam não ter nenhuma fragilidade mas sim aqueles que estão conscientes das que têm e lutam.